Visual Studio Dev11 vem sem SQL Server Express e isso não é um problema

A nova versão do Visual Studio, que está agora em Beta, não traz a opção de instalar o SQL Server Express, como acontecia com o VS 2010. Isso não é um problema. A partir desta versão, temos a nossa disposição via SQL Server 2012 (codename Denali) o LocalDB. Esse vem instalado com o Visual Studio Dev11.

Qual a diferença? O LocalDB não fica rodando toda hora na sua máquina. Ele é um SQL Server “sob demanda”, só sobe quando você precisa, e se ficar muito tempo sem usar, ele fecha. Pra usar é fácil, basta trocar a string de conexão para usar “(localdb)\v11.0” onde antes ficava o “.\SQLExpress”, na string de conexão. Você pode inclusive se conectar nele via SQL Server Management Studio ou via as ferramentas do Visual Studio. Em tempo: o SQL Server Management Studio também não vem mais instalado.

Vejam aqui a conexã aberta no novo Management Studio (que é baseado em VS 2010):

SQL Server 2012 Management Studio acessando LocalDB

Para entender um pouco mais, vejam este post onde o time do SQL Server anuncia o LocalDB.

Nos meus testes até aqui o LocalDB funcionou perfeitamente, exatamente como um SQL Server normal funcionaria.

Você ainda pode instalar o SQL Server Express se quiser. A versão 2012 já é final (RTM) e pode ser baixada aqui.

Autor: Giovanni Bassi

Arquiteto e desenvolvedor, agilista, escalador, provocador.
Programa porque gosta, e começou a trabalhar com isso porque acha que trabalhar como administrador é meio chato. Por esse motivo sempre diz que nunca mais vai virar gerente de ninguém. E também porque acredita que pessoas autogerenciadas funcionam melhor e por acreditar que heterarquia é melhor que hierarquia. Mas isso é outro assunto.
Foi reconhecido  Microsoft MVP depois que alguém notou que ele não dormia a noite pra ficar escrevendo artigos, cuidando e participando do .Net Architects, gravando o podcast Tecnoretórica, escrevendo posts no blog e falando o que bem entende no twitter @giovannibassi. E por falar nisso é no twitter que conta pra todos que gerencia de projetos deve ser feita pelo time e não por um gerentes, que greves em TI são coisas sem sentido e que stored procedure com regras de negócio são malígnas.
Você já deve ter percebido (até porque está lá na primeira frase) que Giovanni é agilista. De tanto gostar disso ele trouxe os programas de certificação e treinamento  PSD e PSM da Scrum.org pro Brasil, e por causa deles, do MVP e de algum trabalho que aparece tem que ficar indo pros EUA de vez enquando, coisa que prefere não fazer. (É bem comum você ouvir ele perguntando porque a Scrum.org e a Microsoft não estão na Itália, por exemplo.)
Junto com alguns Jedis criou a Lambda3, que, apesar de ser pequena e de não ser muito comum no Brasil, insiste em fazer projetos e consultoria direito. Por causa da Lambda3 ele tem trabalhado mais do que quando era consultor independente, mas menos do que a maioria das pessoas. Quer dizer, isso se você considerar que os trabalhos junto à comunidade não são trabalho, caso contrário ele trabalha mais que a maioria das pessoas.
Recentemente ele resolveu que merecia viver melhor e ganhar uns anos de vida e desistiu de ser sedentário, fazendo algum barulho de vez em quando com os amigos no twitter com a hashtag #DotNetEmForma. Por causa do convite recente de amigos do lado Open Source (que ele respeita e admira), começou a escalar, e agora está sempre com as mãos machucadas. Mas ainda dá pra programar. Você encontra ele sempre em algum evento, como o TechEd, e o DNAD, mas também outros menos comuns para o pessoal do .NET, como a RubyConf. Nesses eventos, ou ele está vendo palestras, ou batendo papo com alguém, ou codando alguma aplicação que alguém achou que dava pra fazer durante o evento.

  • Emmanuel Gomes Brandão

    Tipo SQL Lite?

    • Não. Ele roda OOP (out of process), em sqlserver.exe. O SQLite e o SQL Compact rodam in process.

  • Agora entendi porque o Entity Framework 5, já vem com a conexão string por padrão “(localdb)v11.0”. Legal!