Podcast 24 – Transformação Ágil

Acompanhe novo episódio no ar
Tempo de leitura:2 minuto(s)

Neste podcast Annelise Gripp, Giovanni Bassi, Victor Hugo Germano e Vinicius Quaiato batem um papo sobre o processo de transformação ágil sob múltiplas perspectivas, trocando experiências sobre desafios, mudança de cultura, engajamento, metodologias, mitos, fatos e muito mais.

Comente sobre o episódio aqui no blog da Lambda3 ou nas nossas redes sociais. E se você gostou divulgue-nos, os links estão abaixo. Se você não gostou, mande a sua crítica, vamos analisá-la e pensar o que podemos fazer, para você ter um podcast cada vez melhor!

Feed do podcast: blog.lambda3.com.br/feed/podcast
Feed do podcast somente com episódios técnicos: blog.lambda3.com.br/feed/podcast-tecnico
Feed do podcast somente com episódios não 16técnicos: blog.lambda3.com.br/feed/podcast-nao-tecnico

Pauta:

  • Transformação Ágil como um processo de crescimento
  • Como iniciar o processo e avaliar o impacto
  • O que a transformação significa para uma empresa
  • Envolvimento no processo

Links Citados:

Participantes:

Edição:

  • Lazaro Fernandes Lima Suleiman – @lazarofl

Créditos das músicas usadas neste programa:

Autor: Lazaro Fernandes Lima Suleiman

Desenvolvedor

  • Régis Ranniere

    Olá… Tudo bem?

    Escutando esse PodCast surgiu uma dúvida a respeito de um outro movimento que vejo crescer bastante que é o Home Office. Basicamente, quando falamos em transformação ágil um dos principais pontos é fazer a integração da equipe e que ela entenda e funcione no novo processo e em alguns momentos vocês ditam muito a respeito da interação entre indivíduos.
    A questão em si é: Como o Ágil se comporta em equipes que tenham membros em Home Office? Já que a interação e unicidade da equipe é um dos fatores mais importante para implantação do ágil?

    Não sei se é válida a questão, não sei se estou misturando situações que não se interligam, mas é a dúvida prática da aplicação de tudo o que foi falado.

  • Silas Vasconcelos

    Trabalhei muti com GP’s que me falavam, “É para sexta, caso não esteja pronto, não precisamos mais de você!”
    nunca liguei, resultado, não era demitido e não ficava me matando de trabalhar, hoje trabalho com Scrum, em trabalhos pessoais e já trabalhei em uma empresa que implementamos, muito melhor, tanto para os desenvolvedores, quanto para o chefe!

    Parabéns pelo PodCast, muito bom!