Todos os post de Giovanni Bassi

Arquiteto e desenvolvedor, agilista, escalador, provocador.
Programa porque gosta, e começou a trabalhar com isso porque acha que trabalhar como administrador é meio chato. Por esse motivo sempre diz que nunca mais vai virar gerente de ninguém. E também porque acredita que pessoas autogerenciadas funcionam melhor e por acreditar que heterarquia é melhor que hierarquia. Mas isso é outro assunto.
Foi reconhecido  Microsoft MVP depois que alguém notou que ele não dormia a noite pra ficar escrevendo artigos, cuidando e participando do .Net Architects, gravando o podcast Tecnoretórica, escrevendo posts no blog e falando o que bem entende no twitter @giovannibassi. E por falar nisso é no twitter que conta pra todos que gerencia de projetos deve ser feita pelo time e não por um gerentes, que greves em TI são coisas sem sentido e que stored procedure com regras de negócio são malígnas.
Você já deve ter percebido (até porque está lá na primeira frase) que Giovanni é agilista. De tanto gostar disso ele trouxe os programas de certificação e treinamento  PSD e PSM da Scrum.org pro Brasil, e por causa deles, do MVP e de algum trabalho que aparece tem que ficar indo pros EUA de vez enquando, coisa que prefere não fazer. (É bem comum você ouvir ele perguntando porque a Scrum.org e a Microsoft não estão na Itália, por exemplo.)
Junto com alguns Jedis criou a Lambda3, que, apesar de ser pequena e de não ser muito comum no Brasil, insiste em fazer projetos e consultoria direito. Por causa da Lambda3 ele tem trabalhado mais do que quando era consultor independente, mas menos do que a maioria das pessoas. Quer dizer, isso se você considerar que os trabalhos junto à comunidade não são trabalho, caso contrário ele trabalha mais que a maioria das pessoas.
Recentemente ele resolveu que merecia viver melhor e ganhar uns anos de vida e desistiu de ser sedentário, fazendo algum barulho de vez em quando com os amigos no twitter com a hashtag #DotNetEmForma. Por causa do convite recente de amigos do lado Open Source (que ele respeita e admira), começou a escalar, e agora está sempre com as mãos machucadas. Mas ainda dá pra programar. Você encontra ele sempre em algum evento, como o TechEd, e o DNAD, mas também outros menos comuns para o pessoal do .NET, como a RubyConf. Nesses eventos, ou ele está vendo palestras, ou batendo papo com alguém, ou codando alguma aplicação que alguém achou que dava pra fazer durante o evento.

Migrando um projeto do Azure para a versão 2.3

Saiu durante o Build o SDK 2.3 do Azure. Eu atualizei as dependências de um projeto em que estava trabalhando para essa versão utiliznado Nuget, atualizei o servidor de build e tudo fucionou, build acontecendo normalmente e testes passando. Até que eu montei um outro servidor de build e o build falhou. Porque? Porque o Visual Studio não atualiza um projeto de cloud services automaticamente para a versão 2.3. Um projeto web, ASP.NET, não vai sofrer com isso. Já um projeto cloud services sabe Continue Lendo →

Novidades na próxima versão do C# (projeto Roslyn)

Semana passada durante o evento Build da Microsoft foram apresentadas diversas novidades. As mais interesssantes, na minha opinião, são as sobre C#. O time do C# vem fazendo um excelente trabalho, tanto no lado técnico quando em outros. Por exemplo, foi anunciado que agora o compilador do C# é open source, com uma licença Apache 2, muito permissiva. Você agora pode baixar o compilador, que foi reescrito em C#, e testar na sua máquina. Vá para roslyn.codeplex.com, clone o projeto e veja por Continue Lendo →

QuickRead: uma app para te ajudar a ler mais rápido

Quem me acompanha no Twitter deve ter visto eu comentando sobre o Spritz, um projeto que permite que você leia mais rápido utilizando um pequeno widget que mostra as palavras de um texto no mesmo lugar. Como as palavras se sobrepõe, você consegue ler mais rápido, já que estima-se que 80% do tempo da leitura seja movendo os olhos de lugar, e com o widget você não precisa. Pois é, eu adorei a ideia. Eu leio muito. Muito. Muito mesmo. Artigos, emails, blogs. Leio muito. E se eu conseguisse Continue Lendo →

Bower e NPM na linha de comando dentro do Visual Studio instalado via Nuget

Eu gosto muito do Bower, e acho ele fundamental em um projeto web. O Bower é para dependências JavaScript de front-end o que o Nuget é para o .NET: ele instala pacotes, avalia dependências, e permite não colocar os arquivos de bibliotecas JS no source control. Afinal, se você não coloca dlls de bibliotecas no source control porque elas são restauradas via Nuget, não deveria precisar colocar também dependências de JavaScript. Assim como NHibernate.dll não está no source control, jquery.js Continue Lendo →

Brownbag: To sell is human

O Raphael Molesim e eu lemos o “To sell is human”, do Dan Pink. É um livro sensacional, e temos tido o hábito de fazer brownbags de livros que gostamos muito. O brownbag foi muito divertido, e o time da Lambda3 gostou bastante. Os slides estão abaixo: Brownbag: To sell is human from Giovanni Bassi   Se você gostou veja também o excelente livro “Drive” e o vídeo do autor no TED: Continue Lendo →

Movendo commits de um repositório Git para outro não relacionado

Hoje tive que resolver um problema interessante: um cliente nosso está usando TFS Source Control com TFS 2013 (infelizmente ainda não usam Git). Nós da Lambda3 adoramos Git e usamos em todos os projetos. O cliente não tinha problema algum que mantivéssemos nosso projeto no nosso TFS com Git, desde que o repositório dele ficasse atualizado com o exato mesmo código. Como resolver sem ficar manualmente copiando arquivos? O primeiro desafio é a barreira TFVC e Git. Pra isso há o gittf, um plugin Continue Lendo →