Retrospectiva 2016: top posts do blog da Lambda3

Um homem segurando um tablet com informações analíticas
Tempo de leitura:3 minuto(s)

O blog da Lambda3 tem bastante audiência, esse último ano tivemos mais de 300 mil pageviews, e reunimos mais de 130 mil usuários únicos. Bastante coisa, pra um conteúdo essencialmente técnico. Abaixo listo os 10 posts publicados em 2016 e mais lidos ao longo do ano. Lógico que posts do começo do ano tem mais chance de serem lidos, mas conteúdo normalmente tem mais visibilidade assim que sai, e depois vai caindo. Mas há posts de Julho, Outubro e Novembro na lista.

O post mais lido foi um guia de estudos preparado pelo José Barbosa (aka Kide), que auxilia a se preparar para a prova de certificação da Microsoft sobre ASP.NET MVC. Tivemos muito conteúdo sobre .NET, mas também Mongo, Node.js e Docker!

  1. Guia de estudo para certificação Microsoft 70–486
  2. Novidades do C# 7: Tuplas
  3. O que significa trabalhar com a plataforma Microsoft hoje e o que isso vai significar em alguns anos
  4. Nova comunidade Brasil.NET no Slack
  5. Adeus DNX, bem vindo .NET CLI
  6. Porque a recente atualização do Scrum Guide é importante
  7. Iniciando com Docker
  8. Como usar .NET Core em produção HOJE com aplicações Web: MongoDB
  9. Novidades do C#7
  10. Programação assíncrona com Node 7 e async e await é muito <3

Desconsiderando a restrição de data, abaixo vemos os top posts lidos em 2016. Esses são posts publicados em qualquer momento, e que foram os mais lidos em 2016. É impressionante notar que o post feito pelo Igor Abade sobre instalação do Windows 8 com UEFI usando a USB é o post mais lido, não só nesse ano, mas desde que foi publicado, lá atrás, em 2012. Além dele, os 3 posts sobre criptografia RSA do Fernando Oliveira se destacam, os 3 da série estão no top 10. Tivemos também posts sobre ASP.NET, Node.js, e C# 7, entre outros, e novamente o guia de estudo do Kide.

  1. Como instalar o Windows 8 a partir do USB num sistema com UEFI
  2. Entendendo (de verdade) a criptografia RSA
  3. Entendendo (de verdade) a criptografia RSA – Parte II
  4. Guia de estudo para certificação Microsoft 70–486
  5. Uma aplicação web simples com NodeJS
  6. Visual Studio Code – #3 – Customização
  7. Fazendo VirtualBox e Hyper-V coexistirem no Windows 8
  8. Entendendo (de verdade) a criptografia RSA – Parte III
  9. O que preciso saber sobre Single-page applications?
  10. Novidades do C# 7: Tuplas

Entre as categorias mais lidas, se destacaram a do Podcast, a de Desenvolvimento na plataforma Microsoft, a de ALM, e a de Práticas de engenharia de software.

Pra você que nos acompanha, que comenta aqui com a gente, que compartilha o nosso conteúdo, obrigado! O blog da Lambda3 é feito de forma totalmente voluntária, as pessoas escrevem livremente, sem meta. É um prazer ver esses números, ser lido é tão bom quanto escrever.

E nos aguarde, 2017 vai ser um ano muito bom. A Lambda3 está crescendo e as pessoas interessadas em escrever também. Vai ter muita gente nova aqui contribuindo e ajudando a elevar a qualidade do desenvolvimento de software no Brasil, compartilhando conhecimento. Um bom ano para todos nós!

Autor: Giovanni Bassi

Arquiteto e desenvolvedor, agilista, escalador, provocador.
Programa porque gosta, e começou a trabalhar com isso porque acha que trabalhar como administrador é meio chato. Por esse motivo sempre diz que nunca mais vai virar gerente de ninguém. E também porque acredita que pessoas autogerenciadas funcionam melhor e por acreditar que heterarquia é melhor que hierarquia. Mas isso é outro assunto.
Foi reconhecido  Microsoft MVP depois que alguém notou que ele não dormia a noite pra ficar escrevendo artigos, cuidando e participando do .Net Architects, gravando o podcast Tecnoretórica, escrevendo posts no blog e falando o que bem entende no twitter @giovannibassi. E por falar nisso é no twitter que conta pra todos que gerencia de projetos deve ser feita pelo time e não por um gerentes, que greves em TI são coisas sem sentido e que stored procedure com regras de negócio são malígnas.
Você já deve ter percebido (até porque está lá na primeira frase) que Giovanni é agilista. De tanto gostar disso ele trouxe os programas de certificação e treinamento  PSD e PSM da Scrum.org pro Brasil, e por causa deles, do MVP e de algum trabalho que aparece tem que ficar indo pros EUA de vez enquando, coisa que prefere não fazer. (É bem comum você ouvir ele perguntando porque a Scrum.org e a Microsoft não estão na Itália, por exemplo.)
Junto com alguns Jedis criou a Lambda3, que, apesar de ser pequena e de não ser muito comum no Brasil, insiste em fazer projetos e consultoria direito. Por causa da Lambda3 ele tem trabalhado mais do que quando era consultor independente, mas menos do que a maioria das pessoas. Quer dizer, isso se você considerar que os trabalhos junto à comunidade não são trabalho, caso contrário ele trabalha mais que a maioria das pessoas.
Recentemente ele resolveu que merecia viver melhor e ganhar uns anos de vida e desistiu de ser sedentário, fazendo algum barulho de vez em quando com os amigos no twitter com a hashtag #DotNetEmForma. Por causa do convite recente de amigos do lado Open Source (que ele respeita e admira), começou a escalar, e agora está sempre com as mãos machucadas. Mas ainda dá pra programar. Você encontra ele sempre em algum evento, como o TechEd, e o DNAD, mas também outros menos comuns para o pessoal do .NET, como a RubyConf. Nesses eventos, ou ele está vendo palestras, ou batendo papo com alguém, ou codando alguma aplicação que alguém achou que dava pra fazer durante o evento.